Dose de Poder #015 (Dor e Prazer IV)

Tempo de leitura: 1 minuto

“Os homens, tanto quanto as mulheres, são com muito mais frequência levados pelo coração do que pela compreensão.” LORDE CHESTERFIELD

Dizem que mulheres são mais emotivas (coração) e homens mais racionais.

Pode até ser, mas pesquisas revelam que tanto homens como mulheres, tomam suas decisões baseadas pela emoção e não pela razão. Embora não gostamos de assumir que nosso comportamento é induzido pela reação instintiva à dor e ao prazer, e não pelo intelecto.

Na verdade, o intelecto procura justificativas para confirmar o que o cérebro emocional decidiu.

Isso da uma sensação de impotência não é verdade? Será que meu emocional esta enganando meu racional? Esse é o processo de autoconhecimento. O verdadeiro poder pessoal vem da maestria em controlar seu campo emocional

Você pode até acreditar racionalmente que comer chocolate faz mal, mas por que você come mesmo assim? Existem neuroassociações que determinam que comer chocolate é prazeroso.

Se você deseja perder alguns quilos e começa uma dieta rigorosa. Você poderá até suportar por um tempo a dor da privação dos seus alimentos preferidos. Mas a longo prazo isso será sustentado? Ou após alguns meses a dieta passa a ser torturante e logicamente você desiste e volta aos velhos hábitos.

Para que você consiga ter consistência no novo comportamento que se deseja adquirir, precisa atribuir prazer ao novo comportamento ao mesmo tempo que atribui dor ao comportamento antigo. Insistindo em reforçar esse novo condicionamento até que se torne permanente.

Se você não associar uma dor real ao ato de comer esses alimentos, será impossível sustentar esse novo habito no longo prazo, porque ninguém consegue conviver com “dor” permanentemente.

Utilizei como exemplo alimentação, mas na verdade é assim que funciona com praticamente tudo em nossas vidas. Comecem a reparar nisso.

O próximo post da série é: Dose de Poder #016 (Dor e Prazer V)

Se você ainda não conhece meu canal no youtube acesse aqui e confira!

Com amor Paula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *