Dose de Poder #029 (Como Mudar V)

Tempo de leitura: 4 minutos

“O início de um hábito é como um fio invisível, mas a cada vez que o repetimos o ato reforça o fio, acrescenta-lhe outro filamento, até que se torna um enorme cabo, e nos prende de forma irremediável, no pensamento e ação” – ORISON SWETT MARDEN

Vamos caminhar juntos essa jornada maravilhosa de amor. Hoje irei contribuir com mais uma pitada de consciência e amor, que chamo de Dose de Poder. A essa altura você já deve ter criado um compromisso com você mesma certo 🙂 ? Então diga: eu quero mudar, e vamos em frente.

Hoje serei mais fiel ao livro (DESPERTE SEU GIGANTE INTERIOR), porque gostei dessa passagem que desejo repassar na integra:

“Em qualquer momento que você experimenta quantidades significativas de dor ou prazer, seu cérebro no mesmo instante procura pela causa.

Usa os três critérios seguintes:

1) O cérebro procura por algo que pareça ser singular. Para reduzir as causas prováveis, o cérebro tenta distinguir algo que seja excepcional às circunstancias. Parece lógico que, se você está tendo sentimentos fora do normal, então deve haver uma causa fora do normal.

2) O cérebro procura por algo que pareça estar ocorrendo simultaneamente. Isto é conhecido nos círculos de psicologia como a Lei da Recenticidade. Não faz sentido que algo que ocorre no momento (ou na proximidade) de intenso prazer ou dor seja a causa provável dessa sensação?

3) O cérebro procura por coerência. Se você sente dor ou prazer, seu cérebro começa no mesmo instante a registrar o que é diferente ao redor, e está acontecendo ao mesmo tempo. Se o elemento que atende a esses dois critérios também parece ocorrer de forma consistente sempre que você sente essa dor ou prazer, pode ter certeza de que o cérebro vai determinar que se trata da causa. O problema neste caso é que tendemos a generalizar sobre a consistência quando sentimos bastante dor ou prazer. Tenho certeza de que alguém já lhe disse “Você sempre faz isso”, depois que fez algo pela primeira vez. Talvez até você já tenha dito isso a si mesmo.

Como os três critérios para a formação de neuroassociações são tão imprecisos, é muito fácil cair em interpretações erradas, e criar o que eu chamo de falsas neuroassociações.  Portanto, devemos avaliar os vínculos antes que se tornem uma parte de nosso processo inconsciente de tomada de decisões. Muitas vezes culpamos a causa errada, e assim nos fechamos a possíveis soluções.

Leiam agora essa história que Tony Robbins conta no livro:

“Conheci uma mulher, uma artista bem-sucedida, que há doze anos não tinha um relacionamento com um homem. Ela era bastante apaixonada em tudo o que fazia; e era isso o que a tornava uma artista excepcional. Mas quando seu relacionamento terminou, experimentou uma dor enorme, e o cérebro no mesmo instante procurou pela causa — procurou por algo que fosse específico daquele relacionamento.

O cérebro registrou que o relacionamento fora dos mais apaixonados. Em vez de identificar isso como uma das partes mais bonitas do relacionamento, ela começou a pensar que fora a razão para seu término. Pois, o cérebro também procurou por algo simultâneo à dor; outra vez registrou que houvera muita paixão pouco antes de acabar.

Quando ele procurou por algo que fosse consistente, outra vez a paixão foi determinada com a culpada. Como a paixão atendia a todos os três critérios, o cérebro concluiu que devia ter sido o motivo para que o relacionamento findasse em dor. Vinculando isso como a causa, ela resolveu que nunca mais sentiria aquele nível de paixão num relacionamento.

É um exemplo clássico de uma falsa neuroassociação.

Ela vinculara uma falsa causa, e isso guiava agora seus comportamentos, e frustrava o potencial para um relacionamento melhor no futuro.

O verdadeiro culpado pelo fracasso do relacionamento era o fato de ela e seu parceiro terem valores e normas diferentes. Mas como ela vinculava dor à sua paixão, evitava-a a qualquer custo, não apenas nos relacionamentos, mas também em sua arte. A qualidade de toda a sua vida começou a sofrer.”

Pessoal, sei que hoje o texto ficou muito maior que o de costume. Mas eu achei importante copiar esse trecho do livro na integra, normalmente eu resumo ou coloco meu ponto de vista de forma abreviada.

Por favor, comentem o que acharam, podemos discutir esse assunto aqui nos comentários.

O próximo post da série é: Dose de Poder #030 (Como Mudar VI)

Quer me acompanhar nas redes sociais? Facebook, Instagram, Youtube.

Com amor Paula.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *